Nietzsche e Kundera põe o “mais pesado dos pesos”

 

RESUMO

A doutrina do eterno retorno, apresentada por Nietzsche, respectivamente, nas obras Gaia Ciência, Assim Falou Zaratustra e Além do Bem e do Mal parece conter tanto um sentido ético quanto um sentido cosmológico. Assim, apostar na suposição de que o mundo seja repetição infinita de variações finitas, o filósofo também estaria apostando na idéia da circularidade da vida em oposição à linearidade desta: viver o eterno retorno implica afirmar a vida aceitando o destino, sendo assim, rompendo com a idéia de uma possível transcendência para além do aqui e agora do mundo. Por outro lado, esta mesma idéia é apropriada porém, em um contexto bastante diferente, a saber, o contexto estético da obra de Milan Kundera, A insustentável leveza do ser. A apropriação de Kundera visa, por sua vez, afirmar a singularidade de cada ação, uma vez que estas são impulsionadas por sentimentos e impulsos e não por imperativos éticos transcendentes. O presente trabalho pretende, então, realizar uma leitura comparativa entre os dois autores, buscando, assim, iluminar tanto a obra filosófica quanto a obra literária.

 

Faça download do texto clicando aqui 

Leave a comment

Filed under A insustentável leveza do ser, aesthetics, eternal recurrence, eterno retorno, kundera, Literature, Nietzsche, niilism, Philosophy, the Unbearable Lightness of Being, Uncategorized

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s