Prá suportar uma costela de Adão

Vem, vem
como um suspiro que, alegre, diz:
“oi!”
entusiasmado.

Te encaixa como Amante
deste Locatário
senhor do peso e da história do fracasso

Me ama como nunca amaste alguém
porque te amo como se não amasse ninguém.

Faz feliz, faz.
Alegre e triste, faz.
presente ou ausente,
faz…

Faz, como bicho carente
que, silenciosamente, se aquieta nos meus braços
no meu peito.

Faz!

 

“Pauca, sed bona”

1 Comment

Filed under Anguish, Poetry, Self

One response to “Prá suportar uma costela de Adão

  1. ema8

    “E queria dar tudo que há em mim
    Tudo em troca de uma amizade
    E sonhar e sorrir
    E esquecer o rancor
    E cantar e sorrir
    E sentir só amor”
    (m. Alejandro versão de P. Coelho)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s