Notas de Leitura: A confusão torta

Musil, Robert.   O jovem Törless.  Rio de Janeiro: O Globo, 2003. 157 p.

Sinopse: da Folha de S.Paulo

Na virada do século 19 para o 20, um grupo de jovens cadetes passa pela velha experiência do confinamento: estão todos afastados de casa, longe dos pais, internados em um colégio militar do antigo império Austro-Húngaro. Törless é um desses adolescentes, e sua história se assemelha muito às experiências vividas na juventude por seu criador, Robert Musil.

Acostumado a um ambiente familiar que sempre lhe pareceu claro e equilibrado, Törless agora se vê na contingência de ter que amadurecer por conta própria, entre seus pares. A rígida disciplina do colégio e as relações entre os que vivem ali dentro (alunos, professores, funcionários) logo manifestam seus mecanismos de perversão. Os mais fortes se reúnem para espezinhar os mais frágeis, os sádicos dão as mãos aos masoquistas, e a sexualidade se exercita como se pode, com prostitutas ou entre os próprios alunos.

Enquanto assiste como um espectador – ou ator relutante – à rotina do internato, o protagonista escreve longas cartas à família, na tentativa de lançar pontes entre a vida obscura do colégio e a suposta vida normal do mundo lá fora, o presente “doentio” e o passado “saudável”. Mas aos poucos tudo o que o cerca é contaminado pela atmosfera de ódio e irracionalismo que marca as relações pessoais, os afetos e a memória.

Este romance do jovem Musil prepara rigorosamente, com tintas expressionistas, o cenário de hostilidade e abjeção que caracterizaria a Europa do entre-guerras.

Notas (divagações):

1. O título, em alemão, Die Verwirrungen des Zöglings Törless, é, na verdade, a confusão do pupilo Törless, mais condizente com a atmosfera do romance.

2. O caminho expressionista lembra, também, o filme Anjo Azul, tomado por preto e branco e de uma profunda angústia. Remete diretamente à experiência adolencente na qual, um sujeito, sem a definição na qual a experiência do reconhecimento ainda é prenhe: vive-se o segundo estádio do espelho na qual, as palavras, marcadas pelo peso de tonelada ou pela leveza da pluma, caracterizam uma busca por um reconhecimento do qual ainda é incerto.

3. Note-se o início da primeira angústia de Törless: manifesta sua felicidade através de cartas aos pais ás quais, conforme passa o tempo no internato, esquece completamente, abrindo um grande vazio simultaneamente à sensação de que ‘um dia fora feliz’.

4. A relação erótica é posta em uma narrativa subterfúgia na qual somos colocados, como que atrás das tábuas, a observar o afloramento estranho (sinistro) da sexualidade juvenil.

5. O aspecto filosófico é colocado com ironia e sensibilidade através da matemática. Sua primeira relação com Kant, por exemplo, é narrada sequencialmente: a partir de uma dúvida matemática, um encontro com o professor, a insuficiência do professor frente a isto, mascarada pelo argumento de autoridade (ele aponta, apresenta e retira rapidamente das mãos de Torless algum livro kantiano – provavelmente a Crítica da Razão Pura) e, finalmente, Torless compra o livro que lhe dá rodopios mentais, suores e uma estafa na leitura de, somente, 2 páginas (!)

6. O livro é um romance de formação. Mas, se comparado com o clássico dos Bildungsromans, Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister, já delineia traços de deformação que, a mesma formação haveria de deixar. Rastros estes que podem ser pensados, por exemplo, através do mesmo circuito de formação, como no tropa de elite.

7. A presença do nobre, logo ao início do romance, marca também o a decadência de uma sociedade: o espaço social. Como um nobre seria educado em um internato? O quão possível era esta situação?

8. As magníficas descrições dos sentimentos, ainda sem nome, remetem à primeira citação, a epígrafe, do livro. O papel do silêncio ou, melhor, o papel da insuficiência das palavras no (ao) mundo é posto e reposto: tema recorrente. (aliado à sexualidade)

Leave a comment

Filed under Die Verwirrungen des Zöglings Törless, Literature, Musil, Notes, Philosophy

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s