Category Archives: Poetry

Quote

“Sempre evitei falar de mim, falar-me.

Quis falar de coisas.

Mas na seleção dessas coisas não haverá um falar de mim?”

João Cabral de Melo Neto

Leave a comment

Filed under João Cabral de Melo Neto, Literature, Poetry, Quotes

Solidão do super-homem [sentimento compartilhado]

Loucura
Lou-cura
Lou diva

Salomés
Ruínas
do Batista
e do Anticristo
Precipício

Pressuposto
O suplício
Dionísio

Poeta
Verdade que afeta
Cárcere privado
De chagas per-furado
Sob o manto do profeta
Porta trancada
Teto que desce
A-perto que aquece

Dor que não esquece,
Inferno, as feras
Desarmonia das esferas

A bruma
Sem rumo
Nem eira
Poeira
À beira
do abismo

ab-surdo
ab-sinto

Sinto?
Santo?

Manto?
Minto?

-Unzuhause-

“Entra ano, sai ano, a falta de um amor humano verdadeiramente renovador e salutar, a solidão absurda que ela traz consigo a ponto de tornar quase todo vínculo remanescente com as pessoas uma causa de novas feridas: tudo isso é a pior coisa possível, e tem sua única justificativa em si mesmo, a justificativa de ser necessário”

NIETZSCHE
carta de 03 de fevereiro de 1888, meses antes do mergulho do filósofo na longa noite final na loucura

Carinhosametne roubado de http://unzuhause77.blogspot.com/

Leave a comment

Filed under Anguish, Nietzsche, Poetry, Self

Sonic Youth – Icinerate

Continue reading

Leave a comment

Filed under Anguish, Incinerate, Music, Poetry, Sonic Youth, YouTube

#10/7/2007

Dormir e acordar não tinham mais diferença. Sempre havia escutado histórias tenebrosas ou mesmo visto seriados de ficção científica ondeo dia e a noite, memória e esquecimento, sono e vigília confundiam-se. Na verdade, já tinha escolhido isto enquanto estádio alcoólico, acoolizado.

De modo diferente isto manifestava-se agora.

Não contava nem ousava dizer seus sonhos. Não ligava para sonhos. Mas sonhava. E eles eram, nada mais, nada mesnos que extensões da realidade: não se distinguiam mais dormir e acordar.

Continue reading

Leave a comment

Filed under Anguish, Poetry, Self

Gerônimo e Bianca (Eduardo e Mônica versão 7)

Gerônimo cismava pensando em Bianca.
Fazia muito, ou pouco, não importava, tinham se visto e, mais uma vez, as palavras trancavam na garganta. Sempre trancadas, sempre trancando, Gerônimo sabia disso: era um ‘eu te amo’ que queria sair. Continue reading

Leave a comment

Filed under Literature, Poetry, Self

# 963201

Me fiz em pedaços
me faço
pedaços

Inteiro?
pedaços de Eu.

Se me fiz em pedaços
pedaços de Eu
despedaçado estou

Eu e Eu.

Um dia não fomos despedaçados?

Leave a comment

Filed under Poetry, Self

#387410285

“Pega um fósforo e bota fogo em tudo”!

Afinal,
de que vale uma vida
sem incêndios?

Refratário
sigo por aí…

Guarda-chuva
idéias
e uma certa saudade.

Quem diria?
Ainda que não se queira
rotina também faz falta…

(mais do que se imagina,
permanece sem resposta)

1 Comment

Filed under Anguish, Poetry