Tag Archives: Correio do Povo

A arte não compensa – Juremir Machado

Finalmente se sabe o que significa Bric, a sigla que contempla Brasil, Rússia, Índia e China como emergentes. Quer dizer Baixaria, Roubo, Impunidade, Corrupção. Os quatro países do futuro aparecem neste presente sem glória entre os campeões de suborno num ranking da Transparência Internacional. É aquela história do sujeito que cometeu uma pequena infração de trânsito e ouviu da autoridade competente: ‘Existem 50 maneiras de corrigir esse tipo de erro’. Ou daquele outro, acostumado a lidar com gente rápida no gatilho, que, pego em situação ‘desagradável’, disparou primeiro: ‘Negociação é tudo’. Ouviu o que desejava: ‘Eu não estou aqui para julgar’. Continue reading

1 Comment

Filed under A arte não compensa, aesthetics, Arts, Correio do Povo, Juremir Machado, Sociology

Nunca Generalize

Texto extraído do jornal Correio do Povo (www.cpovo.net) dia 14/02/2008

Juremir Machado da Silva

NUNCA GENERALIZE

Eu já fui acusado de muita coisa negativa. Até do que não é negativo. Por exemplo, homossexual. Não sou. Mas qual o problema em ser? Quando me chamaram de gremista, eu me irritei. Mas não é infamante ser gremista. Minha mulher é gremista. Já me criticaram, por exemplo, por generalizar. Disseram-me bem assim: nunca generalize. Generalizar é um erro. A minha resposta é simples: isso é uma generalização. Em inúmeras situações, generalizar é essencial. A ciência funciona com base em generalizações. Observa-se um fenômeno ou um conjunto de comportamentos e tira-se uma conclusão com valor geral. Sob certas condições. Há confusão entre generalizar, exagerar e totalizar. Quem generaliza, em geral, não totaliza, mas pode exagerar. Num ‘sempre foi assim’ pode haver totalização, exagero ou, dependendo do contexto, generalização. O problema não é a generalização em si, mas a generalização improcedente, indevida, falsa.
A generalização pode ter um efeito retórico sem ser falsa. Um leitor me envia uma questão a ser analisada. Segundo ele, nenhum candidato ao vestibular da Ufrgs foi excluído, com nota maior, em função da entrada de um cotista com nota menor. Ele destaca: nenhum. O raciocínio dele é o seguinte: quem não entrou, foi excluído, na categoria em que estava concorrendo, pelos que tiraram nota mais alta. Em outras palavras, haveria, fixado em edital, um número de vagas em disputa para não-cotistas e outro número de vagas para cotistas. Eram dois concursos num só. O leitor antecipa o contra-argumento de que as vagas para cotistas foram deduzidas previamente do total das vagas existente antes das cotas. Para ele, isso só aumentou o índice de exigência numa das categorias do concurso. Mas, mesmo que vagas tivessem sido acrescentadas, reclamações aconteceriam de parte de quem ficasse de fora, pois é a própria divisão em categorias que está em discussão. Ou seja, a regra do jogo.

1 Comment

Filed under Ações Afirmativas, Correio do Povo, Cotas, Culture, Difference, Juremir Machado da Silva, Logic, Social Justice